O Ser-se desdobra-se em trabalho de arte.

Flyer2

No dia 22 de novembro de 2017, Júnia Azevedo inaugura Obsceno, exposição de arte com curadoria de Lia do Rio, no Midrash Centro Cultural, no Rio de Janeiro. Trabalho é um desdobramento do romance O Ser-se, lançado em 2014. Obsceno é uma amostra de um trabalho artístico que Júnia vem desenvolvendo a partir da intervenção em bonecas do tipo Barbie, numa reflexão sobre o imaginário feminino. “A artista nos transporta a um universo onde o lúdico e a ficção se fundem, permeados de símbolos e lembranças de infância. Encontramo-nos numa espécie de Second Life, num mundo humano no qual o sofrimento é tema recorrente”, explica Lia do Rio.

Anúncios

Bela resenha do jovem Guilherme Gonçalves para O Ser-se

Compartilhando. Leia aqui: http://escrevarte.com.br/2015/08/o-ser-se-de-junia-azevedo-editora-circuito.html

Escrevarte1

RESENHA

O Ser-se. A essência do ser. Para onde vai o pensamento de quem quer ser-se? O que há de mais humano em ser perfeito? Esses pensamentos permeiam o romance de Júnia Azevedo. Uma narrativa que aprofunda no mais inóspito calabouço da alma. Que rasga o véu da inocência e faz a realidade transparecer ao interlocutor.

O livro baseia-se no pensamento da personagem principal que o livro todo chamada de ´X`, uma mulher de 40 anos, que procura libertar-se de si mesma. Libertar o seu eu.

A personagem procura no sexo e erotismo a auto realização; apesar de não se considerar uma mulher atraente – cada época com um amante diferente – ela começa a experimentar sensações novas, na busca desesperada de libertar sua mulher interior. Sua vida é cercada de contradições por seu intelecto frágil. Mas não se porta como tal, enganando e sendo enganada.

O ser-se é um romance com traços característicos de um poema. Um livro profundamente incalculável em seu significado, onde Júnia Azevedo, com muita maestria, conduz a narrativa como uma ótima escritora. O livro não tem exatamente uma história completa com começo meio e fim, mas ele aprofunda detalhadamente no pensamento oblíquo da personagem que é o mecanismo principal para que seja transmitida a ideia central do romance.

O ponto forte do livro, é a base analógica que a autora faz com o pensamento filosófico. Ela incorpora a síntese do filósofo Sidarta Gautama – Buda – o não eu, que é o estado em que o ser humano supera o ego. Supera o ´EU`. Sendo o ser apenas uma pequena peça neste imenso quebra-cabeça que é o universo. Que não somos mais importantes do que qualquer outra coisa. Por exemplo veja este trecho do livro. Pág. 26:

[…] Estarão preparando o meu sepultamento? Morri na mesa de operação? Haverá alguém para segurar com ternura minha mão? Para rezar pelo meu restabelecimento? Para acariciar meus cabelos? Para lamentara a minha morte? Onde estão todos que construí no meu pensamento? Todos se dissolveram junto comigo? […]

O livro é impecável quanto à grafia, o fluxo narrativo e essencialmente o envolvimento personagem/interlocutor, que é uma dos pontos chaves para entender o livro. A fonte é um pouco pequena, mas dá para ler tranquilo. A capa possui uma escultura que a meu ver, parece ser de gesso. É uma cabeça com pregos a perfurando e uma corrente se entrelaçando entre os pregos. Confesso que não entendi a relação do livro com a figura da capa. Mas é algo que intriga.

Eu gostei muito de O ser-se, é um romance que hipnotiza o leitor. Foi como se eu fosse tirado da minha própria mente e colocado no pensamento da personagem, algo que prezo muito nem um livro.

Enfim se você gosta de romance com conceitos filosóficos de existência antinaturalista, leia O ser-se. Se não, também leia. Pode ser que você não venha a gostar do livro, mas garanto que ele te levara para o mais escuro abismo da alma.

Sobre Guilherme Gonçalves

Tem apenas 19 anos, nasceu em São Paulo e mora em Minas Gerais. É fascinado por livros de ficção fantásticas e ficção científica. É músico, leitor, desenhista, amante de filmes e séries. Escreve críticas para o blog Escrev’Arte.

Dar errado é dar certo

noite

“Porque, na vida, dar certo é dar errado. Dar errado é dar certo. A vida é experimental. A vida é o imprevisto. Buscamos a perfeição mas é no erro que ela acontece. No esmalte que cai rodopiando e suja o chão, mancha o tapete e o sofá. No morcego que entra pelo basculante e come a banana na fruteira. No almoço que queima na panela. No copo cheio d’água que se espatifa no chão. A vida é a experiência do desvio. É a liberdade do imprevisto. A vida é só a partida. Não é a chegada. É a busca, e não o encontro.”